menu

Notícias

Coopex se qualifica em Educação Inclusiva em atenção à demanda social

Associação de pais procura os cooperativistas para propor a ampliação dos serviços

 

Ascom Sistema OCB/AL

A Cooperativa Educacional de Xingó (Coopex), constituída em 1995, administra duas unidades de ensino, a Escola Convivendo, em Piranhas, Alagoas, e o Colégio Boa Ideia, em Paulo Afonso, Bahia. Juntos, os empreendimentos atendem hoje cerca de mil alunos, incluindo alguns com deficiências neurológica e física.

A observação da realidade apontou a importância da busca por formações em Educação Inclusiva. Esse movimento foi iniciado pelos professores cooperados há cerca de 10 anos, com apoio do Sistema OCB/AL*, em formato de pós-graduações lato sensu e atualizações sucessivas através de palestras, seminários e congressos com o objetivo de melhorar e refinar as práticas pedagógicas.

 “A escola vem abrindo os olhos para as particularidades de cada criança, e se preparando para desenvolver as habilidades desses alunos tanto para o mercado de trabalho quanto para a vida”, disse Silvanira Santos, coordenadora pedagógica.

Essa postura despertou a atenção da Associação de Pais e Amigos de Pessoas com Necessidades Especiais de Piranhas (APAPNEP), que marcou reunião com a Coopex para pedir a ampliação dos serviços já prestados.

O objetivo seria atender e desenvolver uma quantidade maior de crianças da região já que algumas delas estão indo diariamente para Arapiraca se beneficiar de serviços públicos que, de acordo com a APAPNEP, são precários onde residem. Isso significa, em média, quatro horas por dia de deslocamento.

Joana Ferreira, 36, membro da APAPNEP, é mãe de uma criança de seis anos com suspeita de TEA**. “O atendimento médico especializado tem deixado a desejar. A última médica que nos atendeu já quis passar remédios sem termos o diagnóstico fechado e achamos estranho. Além disso, ainda tem a questão do deslocamento de Piranhas/AL a Arapiraca/AL porque aqui não são ofertados todos os profissionais necessários e nem os equipamentos adequados”, disse.

Para a diretoria do Sistema OCB/AL, a Coopex está no caminho certo. “Pessoas com necessidades especiais saíram do anonimato e querem conquistar espaços na sociedade. A escola é o primeiro passo. Esse é o surgimento de uma nova demanda para a cooperativa, que é uma empresa, e toda empresa tem interesse em atender o mercado de trabalho”, pontuou Marcos Rocha.

Em julho deste ano o Sistema OCB/AL proporcionou para alguns cooperados a participação na 15ª edição do Congress Brain, Behavior and Emotions (Congresso sobre Cérebro, Comportamento e Emoções), no Rio Grande do Sul, e os congressistas ampliaram o debate ao retornar para Alagoas socializando as informações com os demais cooperados.

“Nossas escolas estão buscando adequação a essa nova realidade. Capacitações e projetos voltados para as demandas da comunidade se fazem necessários e a Casa do Cooperativismo de Alagoas tem demonstrado seu comprometimento com o desenvolvimento das cooperativas educacionais. Só temos a agradecer”, disse Patrícia Alves, diretora do Colégio Boa Ideia.

--

*Sistema OCB/AL – Formado pelo Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras do Estado de Alagoas (OCB/AL) e pelo Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado de Alagoas (Sescoop/AL).

 **TEA – Transtorno do Espectro Autista.

 

keyboard_arrow_up